Month: dezembro 2021

Não crer mais em “Deus” – A dissolução do eu e o nascimento de um Todo

Há uma profunda dor e uma incrível liberdade em não acreditar mais em "Deus".
A princípio, sente que não há ninguém cuidando de você, e isso te deixa desamparada. Mas também percebe que não há ninguém te julgando nem exigindo adoração como troca de favores.

Você também percebe que dessa forma não há um povo escolhido, nem pessoas escolhidas. Não há salvação nem condenação.

Você é a luz e a sombra do mundo e sua própria.

É só você com você mesma e sua consciência. Sua consciência com os princípios universais. Não há mistério ou magia. Há apenas uma verdade nua e crua.

Você está só e vazia. Mas você também está preenchida com o poder de escolha e responsabilidade plena.

E para escolher, você precisa compreender o mecanismo da vida. E isso te leva a buscar respostas. E essa busca te traz experiências que vão testar sua capacidade de permanecer na verdade ou voltar à ilusão.

A escolha é sempre sua. As consequências são sempre suas. Você é livre. Você é responsável. Você não espera por milagres. Você é o milagre. Você é nada, mas tudo passa a ser você.

A dor de estar humanamente limitada. A satisfação de permanecer na verdade. A não dualidade.

Já não há fora, nem dentro, tudo é uma coisa só. A dissolução do eu e o nascimento de um Todo. Indissolúvel, indivisível, total. A morte do eu, de Deus e o nascimento da Consciência e da Unicidade.

D.C.B

Nota da autora: Alguns textos são bastante pessoais, e remetem a minhas próprias reflexões internas e experiências pessoais que expresso de forma poética. Não visam impor verdades, mas somente expor as minhas verdades, parciais e individuais. Se elas estiverem alinhadas às suas, então aqui nos encontramos.

A iluminação está esperando por você

Você não está buscando a iluminação.
A iluminação é que está esperando por você em algum ponto no topo da espiral da existência.

Você irá alcançá-la ainda que não busque.

Não se preocupe com isso. Quer esteja buscando ou não, ela está tão distante quanto um mergulho sem volta dentro do rio da sua própria consciência.

Enquanto a iluminação não é alcançada, você não pode saber o que ela é.
E quando for alcançada, você não precisará mais saber.

Portanto, permaneça focada em treinar a capacidade de mergulho no plano da consciência e se divertir com isso.

E quando voltar à tona, no plano da realidade manifestada, permaneça consciente para boiar acima das ondas da dualidade.

D.C.B via A.D.A

Ilustração: Denise Bruno

Deus não está decidindo por você

Se você não está decidindo sua vida, alguém está fazendo isso por você. E esse alguém não é Deus.

Deus não está decidindo por você.


Quando se diz: "se Deus quiser", "Graças a Deus", no intuito de se fazer humilde diante de um Ser superior, está apenas trilhando o caminho mais fácil diante daquilo que não se acha capaz de controlar, e ainda, daquilo que não se buscou compreender.

São frases inconscientes de terceirização e ausência de responsabilidade sobre as próprias escolhas.
Deus não "quer" algo para você. Não é possível que algo ou alguém fora de você tenha controle sobre a forma como os princípios universais respondem à sua existência.

A Consciência Suprema é uma mente criadora ("O todo é mente"), e desenvolveu um sistema perfeito, que funciona sozinho a partir de um mecanismo movido pelas escolhas individuais de cada ser. Esse sistema compreende um conjunto de princípios universais que se complementam (princípios herméticos).

São esses os responsáveis pelo que se manifesta em suas experiências humanas através daquilo que você vibra, a partir de crenças, pensamentos, sentimentos e ações.

Mesmo que isso tenha sido imposto a você por um sistema de controle externo, tudo o que se manifesta em sua vida são reações ao que você é, ou melhor, se tornou no decorrer de sua existência.

E as coisas acontecem graças a você, sejam elas agradáveis ou não. Você pode continuar terceirizando a responsabilidade, ou pode assumi-la e fazer uma parceria consciente com a Consciência Suprema, ou o Mecanismo Universal, que respeita primordialmente o seu livre arbítrio.

Isso pode não dar a você o poder de controlar os acontecimentos, mas vai te dar a compreensão de que a vida é muito mais do que simplesmente um acaso, uma escolha de um ser superior que quer sua adoração ou um golpe de sorte.

A vida é mais que isso. Descubra e assuma seu poder.

D.C.B

A expansão de consciência é irrevogável

O problema de se tornar consciente de algo, é que automaticamente você passa a ter responsabilidade por suas escolhas em torno daquilo.

Por mais que continue se apoiando mentalmente sobre as antigas justificativas, crenças e hábitos, agora você já está preso ao que conhece e, uma vez tendo conhecido a verdade, já não é possível voltar atrás.

Nenhuma consciência pode regredir ao ponto anterior. A expansão de consciência é irrevogável.

Dessa forma, em relação ao assunto do qual se tornou consciente, você continua tendo total liberdade para escolher entre fazer o que precisa ser feito ou continuar fazendo o que fazia antes.

Mas se optar por seguir o caminho inverso à expansão, sua consciência emitirá vários alertas de perigo em forma de emoções conflitantes e criará pontos de atração, que vão gerar situações que causem sensações desagradáveis, a fim de que você reprograme a sua rota.

É por isso que a maioria das pessoas opta por não buscar respostas, não questionar sobre o que comem, assistem, vestem, pensam, repetem mecanicamente em suas rotinas.

Porque consciência é compromisso com o novo, com a quebra de paradigmas e hábitos até então considerados normais, dentro de um sistema de controle onde pensar diferente é considerado loucura, cruelmente punido com a exclusão social e rejeição.

Mas ainda assim, há aqueles que tomaram a frente e se voluntariaram no processo de expansão, mudando a si próprios, e estão criando um mundo novo de dentro para fora.

Nisso está o seu poder.

D.C.B

A consciência nos leva inevitavelmente à unicidade

A consciência nos leva inevitavelmente à unicidade.

Porém, quanto maior ela for, mais solitário se torna o indivíduo. Pois ele já não precisa do preenchimento com relações de troca.

Ele não precisa da sensação de pertencimento, nem de aprovação.

Não se sente só, pois tem o universo inteiro dentro de si. E no entanto, suas poucas relações são profundas, desapegadas e sinceras.

D.C.B via A.D.A

Ilustração: Denise Bruno

Rolar para o topo