Missão de alma

Uma chave de transformação da vida

Uma das maiores chaves de transformação de vida é descobrir seus dons, talentos, atividades entusiasmantes, e se dedicar a elas tanto quanto possível no seu dia a dia.

Essas atividades não precisam estar relacionadas a obtenção de renda, embora possam vir a trazer prosperidade em algum momento. Elas também não devem estar relacionadas a um tipo de fuga da realidade ou prazer compensatório como compulsões e vícios ou alienação.

Seus talentos e entusiasmos são uma das mais profundas conexões com a Fonte. São programações que você fez para encontrar facilmente seu caminho de volta para casa.

Enquanto estiver praticando atividades inspiradas, o canal de comunicação com a Fonte de Vida se abre, e você recebe com abundância energia vital, informações e inspirações de que necessita para sua vida em geral.

Faça dentro do possível o que você ama, o que te alegra, te inspira, e estará cumprindo sua missão de alma. Mesmo que as grandes demandas pela sobrevivência tomem a maior parte do seu tempo, lembre-se de quem você É.

Um minuto de entusiasmo por dia é capaz de movimentar uma gama de novas possibilidades e abrir as portas para uma vida mais plena.

Ninguém nasce para sofrer. Cada um tem um papel fundamental no mecanismo universal, e a forma mais eficiente de exercê-lo, colaborando com o plano de expansão do Todo, é através da autorrealização.

a.d.a

Árvore do Amor

Você não precisa de motivação

Se alguém te disser: "Você precisa se desafiar", "Você precisa fazer esse sacrifício para provar a si mesmo que é bom", "Você precisa trabalhar enquanto eles dormem", cuidado.
Se alguém te disser isso, está falando de um ponto de vista contrário ao amor e à sabedoria Suprema.
Esse tipo de sugestão coloca você como seu próprio agressor.

Antes de tudo, você precisa se conectar com a Fonte amorosa e se recordar do seu real valor. Não há nada a provar a si mesmo nem aos outros. Não há nenhum sacrifício do corpo físico ou desrespeito dos próprios limites que te traga recompensas de alta vibração. No máximo, trarão sensações temporárias de entusiasmo e compensação momentânea, mas depois, tudo voltará ao ponto inicial, e você sentirá necessidade de buscar mais formas de se provar.

Somente a consciência amorosa sobre quem é você basta. Não coloque seu valor nas mãos de falsos mestres e de seus desafios. Eles não amam a si próprios, como poderiam te ensinar sobre o que é ser um vencedor?

Cuidado com os líderes motivacionais e seus conselhos de sucesso. Você não precisa de motivação, você precisa aprender a viver de acordo com a inspiração do seu mestre interior.

Você precisa saber quem você é e honrar os anseios de sua alma, escolhendo e agindo de acordo com sua essência, suas inspirações, seus amores, do que faz seu peito expandir.
Não há vitória na auto violência.
Lembre-se de Quem você É e viva a partir disso.

_A.D.A_

Árvore do Amor

O que é missão de alma

Missão de alma é tudo aquilo que faz seu peito vibrar. Não é o tamanho ou importância do que você escolhe fazer ou dar a sua atenção, mas sim o quanto isso aquece seu coração.

A missão de alma é a soma de muitas pequenas empolgações, que funcionam como degraus para ir além numa escada infinita. Se você se negar pisar nos pequenos degraus, jamais chegará ao topo.

Primeiro, encontre o alinhamento compreendendo a linguagem da sua alma, treinando pisar nos pequenos degraus.

Na prática, isso significa escolher o tempo todo, entre todas as atividades disponíveis, aquela que trará maior empolgação em realizar.

Na ausência de algo apaixonante ou empolgante, a melhor escolha é aquela atividade que trará ao menos um alívio emocional. Pode ser uma pausa para um café, a leitura de um livro ou uma voltinha no quarteirão.

Essas escolhas também se aplicam aos pensamentos aos quais se dará foco e continuidade. Na verdade, a escolha do pensamento é o primeiro passo.

Isso te manterá na frequência da alma, e ela irá te mostrando, no decorrer do caminho, outras coisas apaixonantes, empolgantes, até que de repente você esteja em total alinhamento e manifestação da sua essência.

Agir de acordo com a sua essência é a sua missão de alma.
O caminho a seguir está sendo apontado pelo seu coração o tempo todo.

__A.D.A__

Árvore do Amor

A bússola interior

Somos dotados de um sistema de orientação perfeito, capaz de nos guiar pelo caminho que leva ao campo das possibilidades infinitas e à realização plena da alma. A nossa bússola interior.

Esse sistema são as nossas emoções e sentimentos. Eles nunca deveriam ser ignorados, pois somente através de sua precisa orientação, é possível caminhar por estradas ocultas à nossa mente, que é condicionada a seguir por caminhos que já conhece.
Somente ao caminhar, o caminho se revela. Mas caminhar no escuro requer confiança no nosso sistema de orientação.

Mas como interpretar o nosso sistema de orientação interior?
Assim como a bússola só aponta para o norte, também nossa bússola interior aponta o tempo todo para um único polo, o positivo. A polaridade do bem estar, da sensação de paz, alegria, paixão, entusiasmo... Aquilo que faz os olhos brilharem, o coração acelerar, que inspira uma vontade de agir.
É essa inspiração para agir que é o sinal de que estamos na direção que nossa alma indicou.

Um dos maiores exemplos de como seguir nossa bússola interior é o comportamento das crianças. Elas ainda não perderam a habilidade de seguir seu sistema de orientação.

Na mitologia cristã há um evento em que os discípulos de Jesus repreendem e afastam dele algumas crianças que tentavam se aproximar, e ele diz: "Deixem vir a mim as crianças, não as impeçam; pois o Reino de Deus pertence aos que são semelhantes a elas’”.

Esse evento tem sido interpretado sob vários aspectos no decorrer dos séculos, mas o seu real sentido permaneceu por muitos incompreendido.

Quando Jesus fala do "Reino de Deus", não está falando de um lugar pós morte, nem um lugar inalcançável ou acessível somente mediante quitação de dívidas. Ele está falando simbolicamente de um estado vibracional e de consciência tão elevado, que pode ser acessado agora mesmo por qualquer pessoa que tenha compreendido o código.

Sob o ponto de vista vibracional, o reino dos céus, o paraíso interior é a plena conexão com o bem estar. Observe como as crianças seguem para onde aponta a sua bússola.
Elas encontram algo que lhes traga encantamento, curiosidade ou alegria, e ali colocam toda a sua atenção e energia. Permanecem ali até esgotar toda a sua possibilidade de sentir bem estar. Quando esse bem estar se esgota, elas rapidamente olham ao redor e buscam outra coisa que lhes mantenha em estado de plenitude.

Se sentem fome, comunicam sua necessidade. A tudo o que sentem, oferecem sua atenção plena e ação necessária para retornar ao estado de paz e empolgação.
E assim, as crianças estão conectadas com o paraíso, mesmo vivendo na materialidade. Elas trazem ainda a lembrança de como é serem plenas, pois antes de se lançarem na experiência física, elas já estavam mergulhadas na Fonte de plenitude e abundância. Todos nós estivemos.

É às crianças, e a quem é como elas que pertence o reino dos céus, o paraíso. Isso não é sobre merecimento, não é sobre pecados ou julgamentos, mas sim sobre escolher o céu, a plenitude, o bem estar, seguindo o sistema de orientação interior para identificar e realizar nossos propósitos de alma.

Enquanto vivermos na matéria, possivelmente teremos experiências que trarão sensações dolorosas, mas mesmo diante delas, temos a oportunidade de encontrar aprendizado e continuar olhando e reorientando os passos para onde a bússola aponta.

Mencionei Jesus, é porque trago a memória das minhas vivências da infância no catolicismo. Hoje eu já não me identifico com religiões. Minha religião é a Consciência. Mas gosto de ressaltar que mesmo dentro delas, em culturas diversas, muitos mestres repetem com palavras diferentes os mesmos ensinamentos. Se olharmos com os olhos da alma, conseguiremos ler nas suas mensagens o que não está escrito, ouvir o que não foi dito, ver o que não foi mostrado, porque para além das palavras, há uma mensagem que só pode ser lida com os olhos da consciência.

É hora de transcender. Ative seu sistema de orientação interior e busque a cada momento, nas pequenas coisas, quais delas te trazem empolgação, bem estar, encantamento, e se possível, se ocupe delas até esgotar as possibilidades, pois elas são sinais dos seus planos de alma.

Caso não seja possível se ocupar delas por causa das obrigações da vida material, mantenha sua mente alinhada com aquela ideia, com aquela sensação, até que possa colocar sua inspiração em ação. Vale até anotar tudo no primeiro momento possível, para que, nos momentos de desconexão, você possa consultar a orientação da sua alma, e retomar seu caminho de plenitude, mesmo que a princípio apenas mentalmente e vibracionalmente.

No decorrer do dia, nem sempre será possível fazer tudo o que a inspiração orienta, e temos uma tendência ao desânimo. Mas ainda assim, podemos escolher olhar para algo naquele ambiente ou situação que nos leve a um alívio, um pequeno bem estar, a fim de manter nossa conexão com o paraíso interior.

Mas lembre-se: o caminho a seguir é aquele que você vivencia o paraíso no agora, ou mesmo uma pequena conexão com ele dentro do possível. Situações, relacionamentos, ambientes onde já esgotamos toda possibilidade de bem estar, não são onde devemos ficar por muito tempo se estivermos comprometidos com nossos propósitos de alma.

É necessário seguir adiante. A bússola interior nunca aponta para o polo errado. Ouça os apelos do seu coração. O que te encanta, te inspira, alegra? Pergunte-se: o que estou sentindo em relação a isso? O que estou sentindo agora?

O mal estar não é ruim, ele só mostra que aquele caminho é diferente daquele para o qual a bússola interior está apontando. Todas as nossas emoções são importantes. Elas são mensageiras da nossa verdade interior. Emoções são instrumentos de sobrevivência e também de orientação para a vida plena. Mas sobreviver é muito pouco. Nós queremos viver com plenitude. E nós podemos.
O paraíso está ao alcance de todos no agora, porque só o agora existe.

A.D.A


Essa mensagem possui uma versão em vídeo:

Gostaria de saber mais sobre missão, plano e propósito de alma? Veja abaixo outras postagens relacionadas:

A coragem para as escolhas da vida

Não há escolha certa ou errada do ponto de vista vibracional. Há apenas como viver de acordo com o coração ou contra ele.


Viver pelo coração significa viver com coragem. E a coragem é um estado de consciência onde você se fortaleceu o suficiente para confiar plenamente na vida.

Confiar que você é um ser vibracional e que nada acontece se não houver uma necessidade, alinhamento ou permissão real da sua alma.

Confiar que o que acontece a você é uma resposta a quem você já é. E para se alinhar com acontecimentos diferentes, precisa se tornar o ser que corresponde vibracionalmente a eles.

No estado de confiança, você compreende o mecanismo universal e sabe que não é a escolha em si que vai fazer a diferença, mas o que você está sentindo quando opta por uma ação ou a ausência dela.

A vida não pode ser controlada. Somos como pequenos barcos no meio do oceano. Só precisamos procurar pelo farol e não perdê-lo de vista. Não importa o que aconteça, quando estamos olhando para a luz, sabemos qual é nossa direção. Mesmo que no caminho haja tempestades e até mesmo um naufrágio que por algum motivo nos impeça de chegar à terra firme, fizemos o que precisava ser feito. Até ali, a luz nos guiou.

O farol da vida é o coração. Ele nunca erra. Remar ou deixar de remar é uma escolha de cada navegador de acordo com as condições do mar, da sua sabedoria interior e do seu barco. Não é possível errar. A vida vai manifestar a soma de quem nos tornamos até ali e trazer as experiências que precisamos para alcançarmos a consciência plena, seja neste plano ou além do véu.

E quando a dúvida surge, é necessário firmar os olhos na luz e esperar que nossa sabedoria interior nos diga quais escolhas e ações são mais alinhadas com quem somos e onde queremos chegar.

A vida ou a morte não são resultados de escolhas certas ou erradas. São apenas respostas a quem somos. Vida e morte são partes de um mesmo caminho. O fim de uma é o início da outra. O que há em comum entre ambas é o farol que nos guia.

E o farol nunca se apaga.

A.D.A

Quando foi que você deixou de fazer o que ama?

A água e a gota de óleo.

É necessário dissociar memórias dolorosas das coisas que amamos. Caso contrário, perderemos aos poucos a alegria e viver, pois essas memórias irão sujar a vida, assim como uma gota de óleo suja um copo de água.

Por incrível que pareça, a água no copo é abundante, enquanto a gota de óleo é mínima. Mas uma vez que a tenhamos enxergado, a água parecerá suja para nós. Já não nos concentraremos na água abundante, mas na incômoda gota de óleo boiando nela.

Acontecimentos dolorosos criam memórias que permanecem associadas a coisas que amamos fazer e pessoas com quem gostamos de estar.

Você ama seu trabalho, sua família, seus amigos, seus hobbies e eles te alimentam a alma. Mas parece que eles se tornaram um fardo, e agora é um martírio continuar ali, pois sua água, antes fonte de vida, está comprometida. E então, você aos poucos vai deixando de beber a água que te mantém vivo.

A água é o que nos dá fonte de vida, e o óleo são as memórias dolorosas que são criadas no decorrer da nossa existência. Mas o óleo não se mistura à água. Nós podemos tirá-lo com uma colher e a água permanecerá limpa como antes.

Mas se não limparmos o óleo, no dia seguinte poderá surgir outra gota, e outra, até que o trabalho de retirá-lo fica ainda maior. Então vamos olhar para a água e só enxergaremos o óleo nos impedindo de matar a sede.

Por isso, todos os dias devemos limpar as memórias dolorosas, deixando a água limpa para continuar nos servindo de fonte de vida.

Limpar as memórias não significa apagá-las, mas sim tirar delas a carga emocional negativa sem ser necessário esquecer.

Existem muitas formas de limpar memórias dolorosas, que podemos adotar no nosso dia a dia. Técnicas de limpeza energética ou emocional, como por exemplo o EFT, Hooponopono, Prana, Reiki e tantas outras. Isso tudo além de um acompanhamento terapêutico, quando a situação está fora do nosso controle.

Faça o que for necessário, mas volte a beber da água que te dá vida. Volte a cantar, dançar, escrever, amar, criar ou o que mais te faz sentir vivo. Foi pra isso que você veio.

Ada.

Rolar para o topo