bem estar

A bússola interior

Somos dotados de um sistema de orientação perfeito, capaz de nos guiar pelo caminho que leva ao campo das possibilidades infinitas e à realização plena da alma. A nossa bússola interior.

Esse sistema são as nossas emoções e sentimentos. Eles nunca deveriam ser ignorados, pois somente através de sua precisa orientação, é possível caminhar por estradas ocultas à nossa mente, que é condicionada a seguir por caminhos que já conhece.
Somente ao caminhar, o caminho se revela. Mas caminhar no escuro requer confiança no nosso sistema de orientação.

Mas como interpretar o nosso sistema de orientação interior?
Assim como a bússola só aponta para o norte, também nossa bússola interior aponta o tempo todo para um único polo, o positivo. A polaridade do bem estar, da sensação de paz, alegria, paixão, entusiasmo... Aquilo que faz os olhos brilharem, o coração acelerar, que inspira uma vontade de agir.
É essa inspiração para agir que é o sinal de que estamos na direção que nossa alma indicou.

Um dos maiores exemplos de como seguir nossa bússola interior é o comportamento das crianças. Elas ainda não perderam a habilidade de seguir seu sistema de orientação.

Na mitologia cristã há um evento em que os discípulos de Jesus repreendem e afastam dele algumas crianças que tentavam se aproximar, e ele diz: "Deixem vir a mim as crianças, não as impeçam; pois o Reino de Deus pertence aos que são semelhantes a elas’”.

Esse evento tem sido interpretado sob vários aspectos no decorrer dos séculos, mas o seu real sentido permaneceu por muitos incompreendido.

Quando Jesus fala do "Reino de Deus", não está falando de um lugar pós morte, nem um lugar inalcançável ou acessível somente mediante quitação de dívidas. Ele está falando simbolicamente de um estado vibracional e de consciência tão elevado, que pode ser acessado agora mesmo por qualquer pessoa que tenha compreendido o código.

Sob o ponto de vista vibracional, o reino dos céus, o paraíso interior é a plena conexão com o bem estar. Observe como as crianças seguem para onde aponta a sua bússola.
Elas encontram algo que lhes traga encantamento, curiosidade ou alegria, e ali colocam toda a sua atenção e energia. Permanecem ali até esgotar toda a sua possibilidade de sentir bem estar. Quando esse bem estar se esgota, elas rapidamente olham ao redor e buscam outra coisa que lhes mantenha em estado de plenitude.

Se sentem fome, comunicam sua necessidade. A tudo o que sentem, oferecem sua atenção plena e ação necessária para retornar ao estado de paz e empolgação.
E assim, as crianças estão conectadas com o paraíso, mesmo vivendo na materialidade. Elas trazem ainda a lembrança de como é serem plenas, pois antes de se lançarem na experiência física, elas já estavam mergulhadas na Fonte de plenitude e abundância. Todos nós estivemos.

É às crianças, e a quem é como elas que pertence o reino dos céus, o paraíso. Isso não é sobre merecimento, não é sobre pecados ou julgamentos, mas sim sobre escolher o céu, a plenitude, o bem estar, seguindo o sistema de orientação interior para identificar e realizar nossos propósitos de alma.

Enquanto vivermos na matéria, possivelmente teremos experiências que trarão sensações dolorosas, mas mesmo diante delas, temos a oportunidade de encontrar aprendizado e continuar olhando e reorientando os passos para onde a bússola aponta.

Mencionei Jesus, é porque trago a memória das minhas vivências da infância no catolicismo. Hoje eu já não me identifico com religiões. Minha religião é a Consciência. Mas gosto de ressaltar que mesmo dentro delas, em culturas diversas, muitos mestres repetem com palavras diferentes os mesmos ensinamentos. Se olharmos com os olhos da alma, conseguiremos ler nas suas mensagens o que não está escrito, ouvir o que não foi dito, ver o que não foi mostrado, porque para além das palavras, há uma mensagem que só pode ser lida com os olhos da consciência.

É hora de transcender. Ative seu sistema de orientação interior e busque a cada momento, nas pequenas coisas, quais delas te trazem empolgação, bem estar, encantamento, e se possível, se ocupe delas até esgotar as possibilidades, pois elas são sinais dos seus planos de alma.

Caso não seja possível se ocupar delas por causa das obrigações da vida material, mantenha sua mente alinhada com aquela ideia, com aquela sensação, até que possa colocar sua inspiração em ação. Vale até anotar tudo no primeiro momento possível, para que, nos momentos de desconexão, você possa consultar a orientação da sua alma, e retomar seu caminho de plenitude, mesmo que a princípio apenas mentalmente e vibracionalmente.

No decorrer do dia, nem sempre será possível fazer tudo o que a inspiração orienta, e temos uma tendência ao desânimo. Mas ainda assim, podemos escolher olhar para algo naquele ambiente ou situação que nos leve a um alívio, um pequeno bem estar, a fim de manter nossa conexão com o paraíso interior.

Mas lembre-se: o caminho a seguir é aquele que você vivencia o paraíso no agora, ou mesmo uma pequena conexão com ele dentro do possível. Situações, relacionamentos, ambientes onde já esgotamos toda possibilidade de bem estar, não são onde devemos ficar por muito tempo se estivermos comprometidos com nossos propósitos de alma.

É necessário seguir adiante. A bússola interior nunca aponta para o polo errado. Ouça os apelos do seu coração. O que te encanta, te inspira, alegra? Pergunte-se: o que estou sentindo em relação a isso? O que estou sentindo agora?

O mal estar não é ruim, ele só mostra que aquele caminho é diferente daquele para o qual a bússola interior está apontando. Todas as nossas emoções são importantes. Elas são mensageiras da nossa verdade interior. Emoções são instrumentos de sobrevivência e também de orientação para a vida plena. Mas sobreviver é muito pouco. Nós queremos viver com plenitude. E nós podemos.
O paraíso está ao alcance de todos no agora, porque só o agora existe.

A.D.A


Essa mensagem possui uma versão em vídeo:

Gostaria de saber mais sobre missão, plano e propósito de alma? Veja abaixo outras postagens relacionadas:

Rolar para o topo